quinta-feira, 19 de março de 2015

Com A Noite

Com a noite

Com mais intensidade
vem e chega a saudade
de um amor distante
de um amor que não esqueço
apenas na escuridão da noite

Fico sem o teu doce carinho
fico sem os teu sussurrar
em ternas palavras
bem junto ao meu ouvido
fico sem o calor
do teu ardente corpo
fico sem ti
meu amor
meu amante

Na solidão da noite
deixei de sentir
a tua presença
apenas a solidão
apenas a saudade
de ti...
meu único amor

Ah!
tudo chega...

Com a noite

M. Godinho

12 comentários:

  1. Lindo e eu não gosto da "solidão" à noite!
    Bom sábado!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Graça
      Embora também não goste da solidão, ela é a minha principal companheira...
      Beijinhos e grata

      Eliminar
  2. Olá, Maria!
    A noite torna mais agudo o sentimento da perda, da saudade, da solidão.
    Grande abraço.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Boa tarde Pedro
      Plenamente de acordo com o seu comentário!
      Grata e beijinho

      Eliminar
  3. Realmente, Maria, o chegar da noite nos traz recordações infindas... Adorei o poema!
    Um beijo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Verdade amigo, a noite com o seu silêncio, tudo nos faz lembrar...
      Agradeço a visita e o comentário
      Beijinhos

      Eliminar
  4. A noite amiga Maria, tanto é inspiradora como desesperante.
    O seu tocante poema mostra este dois lados. Uma saudade permanente.

    beijinho com carinho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Verdade amiga Fê
      É durante a noite que me sinto mais só e daí o desespero e quiçá a inspiração que normalmente vem triste e melancólica...
      Beijinho

      Eliminar
  5. Olá, Maria
    A noite avoluma tudo: o bom parece-nos excelente, e o mau parece péssimo.
    A solidão toma conta de nós, a saudade ensombra o nosso coração, a escuridão envolve a nossa alma, causa-nos frio e tristeza.
    Como te compreendo, querida amiga!
    Para mim também há noites terríveis, aquelas em que a saudade aperta e o coração fica pequenino, encolhido, sem calor que o conforte…
    Nesses momentos fico a aguardar, ansioso, o amanhecer.

    Apesar de todas as minhas palavras um pouco “down” (acabei de passar por uma “dessas” noites – fiquei sozinho dia 31, mas de Agosto…) gostei muito do teu poema.

    Continuação de boa semana.
    Um beijo
    MIGUEL / ÉS A MINHA DEUSA

    PS - Desculpa, anulei o comentário anterior porque, como não apareceu logo à primeira, cliquei segunda vez e saiu em duplicado.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Miguel
      É realmente muito triste a solidão, nada nos conforta, tudo esmorece e fica um vazio tão grande que nos faz estremecer de tamanha dor.
      Beijinho grande querido amigo.

      Eliminar
  6. Maria te felicito or este hermoso poema..Recuerdos y mucha sensibilidad me hace llegar de él y de ti hermosos sentimientos

    Gracias por compartir
    Besitos mi niña

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. victoria
      Grata por gostar, beijinho

      Eliminar